Image Map

Entrevista - Dominante

ENTREVISTANDO O AUTOR
by Dreamer.

Fanfic: Dominante.

Autora: Aella




Sinopse:

Lobisomens existem e Rebecca Young acabou de ser transformada em uma. Ela tenta viver uma vida em alcateia, mas, por causa de vários incidentes, ela percebe que ela nunca conseguiria fazer parte de uma. O problema é que ela é dominante demais. Porém, ser uma fêmea sozinha tem seus perigos e consequências. Em seu caminho ela encontrará vários oponentes, sejam eles vampiros, outros lobos e talvez até um Alpha poderoso e controlador.







1 - Qual seu nome, idade e onde mora?
Bruna (Aella) Bittencourt, 20 anos, Curitiba - PR



2 - Onde ouviu falar pela primeira vez sobre fanfic?
Pesquisei por conta própria histórias alternativas e acabei me deparando com o, naquela época, anime spirit.

3 - Como foi seu primeiro contato com fanfic?
Eu havia acabado de terminar de assistir o animê Inuyasha e precisava de mais. Comecei escrevendo, mesmo antes de sequer saber o que era uma fanfic, mas quando cheguei no Anime Spirit, comecei a ler desenfreada. Minha primeira fic (bem péssima por sinal) de Inuyasha está no site até hoje, inalterada. Rs



4 - Ainda lembra qual foi a primeira história que você leu?
Era uma chamada Quando os Youkais Dominavam a Terra, de Inuyasha. Não tenho certeza se o título é bem esse, nem lembro o(a) autor(a). Tentei achá-la há alguns anos para reler, mas nunca a encontrei, talvez porque devo ter errado o nome.



5 - Quais fandoms você geralmente lê e escreve?
Meu foco agora está nos originais, em especial com o tema sobrenatural, mas nunca consigo negar uma boa história de Avatar, O Último Mestre do Ar e Inuyasha. A série Vikings e o jogo Skyrim também estão nos meus favoritos.



6 - Como é a escrita na sua vida? É apenas hobby ou você pretende levar isso profissionalmente?
Apesar do meu dia-a-dia extremamente corrido, tento sempre estar trabalhando em algum projeto. Começou como hobby, até porque eu certamente não tinha condição nenhuma de publicar nada. Agora, com um pouco mais de prática, é um sonho ter uma fanfic publicada como livro. É algo que pretendo perseguir em um futuro próximo, logicamente com a ajuda extremamente necessária de um editor. Rs



7 - Por qual motivo você escreve? O que te motiva?
No começo era por saudades das personagens. Eu tinha muita dificuldade de dar adeus às minhas personagens preferidas. Com o tempo acho que virou um excesso de imaginação mesmo e, lógico, com o apoio da comunidade tanto do Spirit Fanfics quando do Nyah Fanfiction, eu consigo me manter dedicada aos meus trabalhos.



8 - Na vida real, você costuma ler livros? Quais são seus preferidos? Quais autores você admira?
Sempre. Sempre que posso estou comprando novos. Minha lista de desejos na Amazon está gigante, por sinal. Rs. Minha série preferida é Amanhã do escritor australiano John Marsden, em seguida eu diria que viria A Guerra dos Tronos, de George R.R. Martin e, honestamente, qualquer livro escrito por Patricia Briggs. Esses são meus favoritos.



9 - Como surgiu a ideia de escrever Dominante?
Na época, escrever sobre vampirismo ainda estava “em alta”. Quando eu tinha meus treze anos, era muito fã de Crepúsculo e era “Team Jacob”. Desde sempre eu era apaixonada por lobos e, após Crepúsculo, por licantropia. Van Helsing também contribuiu para esse amor. Eu estava sem publicar nenhuma história fazia algum tempo, pois estava no fim da minha outra original, sobre caçadores de vampiros, Ebony Cross. Assim, decidi me dedicar novamente ao mundo da escrita e criei Rebecca, uma personagem teimosa e revolucionária que, por acaso, saciava minha sede por lobisomens. Ela praticamente pediu para ser escrita, pois eu nunca havia criado uma personagem com as características dela antes.



10 - Como foi pra você trabalhar as relações entre os personagens? Teve algo de experiência pessoal em alguma delas?
Sim, acho que é muito difícil a gente, como autor, não colocar alguma característica ou alguma experiência sua nas personagens. Entretanto, para escrever Dominante, eu tentei utilizar, principalmente para Rebecca, as ideias do oposto de mim. Eu me perguntaria “o que faria nesta situação?”, e daí escreveria justamente o oposto.



11 - Você considera Dominante um de seus melhores trabalhos?
Sim. Acho que é minha história mais bem desenvolvida, mais detalhada, e na qual minha escrita está mais amadurecida. Sem falar que é minha história com mais leitores.



12 - Como foi o processo de criação dos personagens (a personalidade, comportamento e tal)?
Como disse anteriormente, para o casal principal, tentei buscar as qualidades que faltavam em mim, e os comportamentos que eu normalmente não teria. Para construir os secundários, tentei me basear em complementar os principais. O que falta em Aidan? O que falta em Rebecca? Desta forma, procurei diversificar as características de todos.



13 - Que dica você daria para quem está começando?
Bem, acho que o básico, que todos provavelmente sugerem, é que a prática leva à perfeição. Nunca deixe de escrever, pois você mesmo verá seu desenvolvimento, sua melhoria, ao longo do tempo. Leia bastante, leia diferentes gêneros, não somente aquele que está mais acostumado. Saia da sua zona de conforto, desafie-se a escrever sobre outros assuntos, talvez você encontre uma paixão inusitada no meio do caminho.
O principal, contudo, com destaque para o mundo das fanfics, é nunca desistir. Não escreva para conseguir “fama”, para colecionar favoritos e comentários. Escreva para você, porque você se sente bem. Não tem ninguém comentando? Não tem problema, continue, confie nas suas habilidades que logo eles virão. Os leitores querem um rumo diferente para a história? Sigo o seu coração, siga o que as suas ideias mandarem, afinal, você escreve porque você quer escrever, e não porque está sendo forçado a isso. Nunca perca sua identidade. Não seja coagido a cumprir datas. Organizar-se é bom, mas, a vida, sendo como é, não nos permite sempre ter a possibilidade de cumprir datas. Quanto mais velho você vai ficando, menos estabilidade de horas você tem. Ficou meio comprido, mas acho essas questões as mais importantes. Rs



14 - Como você lida com as críticas que eventualmente recebe? Já passou por uma situação que te fez pensar em desistir de escrever (essa ou qualquer outra fic)?
Sempre agradeço a pessoa que me criticou, no caso sendo críticas construtivas, claro, pois ela teve o trabalho de ir atrás e me dar esse feedback, que é sempre necessário. Não existe história perfeita, sem um erro, ou, no mínimo, sem formas de melhorar. Após isso, volto até o ponto que a pessoa criticou para verificar o que posso fazer para corrigi-lo ou melhorá-lo. Dominante não seria nem metade do que é hoje sem críticas, seja por comentários, seja por mensagens privadas, ou mesmo por amigos próximos.
Nunca passei por uma situação deste tipo. As fanfics que eu abandonei foram por falta de ideias mesmo, postagens antecipadas sem maiores planejamentos. Entretanto, nunca parei uma fanfic por receber críticas.



15 - O que os leitores que vierem a conhecer seu trabalho podem esperar da sua história e de você como autora?
Podem esperar muita treta. Rsrs. Dominante é uma história com um romance forte entre os personagens, mas a história não revolve em torno apenas disso. Todos os personagens terão muito amadurecimento para fazer ao longo da saga, e, bem o amadurecimento de alguns romances certamente estão inclusos ali no meio. ;)
Também planejo me aventurar em outras categorias futuramente. Há tempos que eu venho querendo escrever algo mais na área de fantasia medieval, pois adoro o tema. Também sou apaixonada pelos meus fandoms, quem sabe, no futuro, não consiga dar mais atenção a eles.



16 - Sobre projetos futuros, você já tem algum em mente? Pode contar um pouco pra gente?
Bem, a saga Dominante está pouco esboçada. As ideias para o segundo livro estão já concretas, mas a partir daí ainda será uma aventura até para eu organizar. Não sei quantos livros/temporadas terá, mas certamente terá uma terceira. Ou seja, vai levar um tempo até meus leitores terem de dar adeus à Becca e ao Aidan!
Como respondi anteriormente, há tempos quero escrever sobre fantasia medieval, com direito a magia, guerreiros, dragões e sereias. A história ainda está nos estágios embrionários, portanto não sei dizer se terá o mesmo comprimento/duração de Dominante. O que posso revelar é que o casal principal será diferente do nosso querido casal Dominante. A heroína será menos cabeça-dura, apesar de valente, e o herói será um cara de morais questionáveis, bem diferente de Aidan.

17- Desde quando você escreve?
Minha primeira fanfic, Era Feudal: General, da categoria Inuyasha, escrevi com cerca de treze anos.



18- Você já pensou em publicar seus livros?
Penso todo dia! Quem nunca? Rs. Acho que o que falta é coragem. O primeiro livro de Dominante  (já que estou escrevendo o segundo, Valente) já está terminado. Se eu quisesse, era só revisar e ajustar umas coisinhas e tentar a sorte. É um pouco difícil também por causa do pouco apoio que autores nacionais recebem das próprias editoras e do público, de certa forma, e além disso, dos altos custos de publicação que a maioria das editoras cobram. Ainda está na minha lista de afazeres, publicar um livro antes de morrer, só não sei se Dominante será esse livro.



19- Você pretende fazer novas histórias?

Certamente. Trabalhar com um projeto tão extenso e complicado como Dominante é um pouco desgastante, mas o esforço sempre é válido no final. O apoio que eu recebo da comunidade é gigantesco, é imensurável. Essa galera está sempre batendo um papo comigo e são muito calorosos, muito amorosos. Sei que consegui uma fan base muito querida. Eles, juntamente com a arte da escrita, sempre irão me fazer estar trabalhando em alguma coisa nova.



20- De todos seus livros, qual você mais gosta?
É muito difícil de escolher! Acho que, se a questão é qual eu tentaria salvar em um incêndio, tentaria salvar todos os dez livros da série Amanhã de John Marsden. Acho que não iria conseguir… Rs. Além de serem livros excelentes, apesar de pouco conhecidos, foi uma série que marcou muito minha infância e depois minha adolescência. Ensinou-me muito sobre amadurecimento, trabalho em grupo e a lidar com a dor e a saudade, aspectos de vida essenciais para todos nós. É uma série que levarei para a vida, inclusive relendo sempre que possível.






Obrigada, Aella, pela sua participação!
O pedido da entrevista foi da leitora Jenna Clark.

Espero que tenham gostado da entrevista com essa ilustre escritora.

Não esqueça de clicar no link para poder ler esta incrível história que já está completa. A continuação da mesma chama-se Valente e está tão boa quanto. Até a próxima!


Atenciosamente,
 Dreamer. 

Nenhum comentário :

Postar um comentário